Home Informe por Banco Bradesco Bradesco vai indenizar gerente vítima de sequestro e extorsão

Bradesco vai indenizar gerente vítima de sequestro e extorsão

0
3,911

Ela foi sequestrada em casa junto com o marido, os filhos e a bab√°.

O Banco Bradesco S. A. deverá pagar indenização a uma gerente que foi sequestrada junto com a família em São José dos Campos (SP). No exame de recurso de revista do banco, a Oitava Turma do Tribunal Superior restabeleceu o valor de R$ 100 mil arbitrado pelo juízo de primeiro grau a título de reparação.

Sequestro
Na reclama√ß√£o trabalhista, a banc√°ria relatou que, em agosto de 2009, ao entrar em casa, foi abordada por quatro homens armados que, em seguida, renderam seu marido, dois filhos pequenos e a bab√°. A fam√≠lia foi levada para um cativeiro, e os sequestradores exigiram R$ 200 mil para que n√£o os matassem. No dia seguinte, obrigaram-na a ir √† ag√™ncia retirar a quantia e, ao receber o dinheiro, libertaram a fam√≠lia. Depois do ocorrido, ela foi afastada por aux√≠lio-doen√ßa e foi diagnosticada com estresse p√≥s-traum√°tico, dist√ļrbios do sono, ansiedade e depress√£o.

Com base nas provas, o juízo da 5ª Vara do Trabalho de São José dos Campos atribuiu o sequestro ao trabalho da gerente, que tinha acesso ao cofre, caracterizando-se, assim, a responsabilidade objetiva do banco. Considerando que o empregador havia custeado o tratamento e os remédios, mas não havia proporcionado cursos de segurança pessoal, fixou em R$ 100 mil o valor da indenização por dano moral.

O Tribunal Regional do Trabalho da 15¬™ Regi√£o (Campinas/SP), ao julgar o recurso ordin√°rio, majorou a condena√ß√£o para R$ 1 milh√£o, levando em conta o porte econ√īmico da empresa e a finalidade pedag√≥gica da indeniza√ß√£o.

Razoabilidade
O relator do recurso de revista do Bradesco, ministro Márcio Eurico Vitral Amaro, assinalou que a jurisprudência do TST vem adotando o entendimento de que a revisão do valor fixado a título de indenização por dano moral é possível nos casos em que o montante arbitrado for irrisório ou exorbitante. Ele citou precedentes de várias Turmas do TST em casos de sequestro de bancários e familiares e concluiu que o valor arbitrado pelo TRT foi desproporcional aos fins compensatórios e punitivos pretendidos.

Por unanimidade, a Turma deu provimento ao recurso e restabeleceu a sentença em que se fixou o valor da indenização em R$ 100 mil.

Processo: RR-244-59.2012.5.15.0132

Fonte: TST

Diretoria Executiva da CONTEC

Veja Também

Sugest√£o

Juventude da Confederação Sindical das Américas elege Gustavo Pádua Vice-presidente

Grupo discutiu o futuro do trabalho em encontro realizado no Panam√°¬† Nos dias 20 e 21 de s…