Home Informe por Banco Caixa Econômica Caixa é condenada a pagar R$ 100 mil de indenização por fila demorada

Caixa é condenada a pagar R$ 100 mil de indenização por fila demorada

0
2,055

Para procurador, clientes estão trabalhando de graça para banqueiros. Caixa alegou que a espera nas filas das agências bancárias é um “mero dissabor” para os clientes (IZABELA JORNADA)

Caixa Econômica Federal (CEF) foi condenada a pagar R$ 100 mil por dano moral coletivo pelo excesso de tempo de espera nas filas das agências em Dourados (MS). Procurador rebateu a justificativa da CEF dizendo que as filas nos caixas dos bancos equivalem a trabalho não remunerado que os clientes desempenham para o banqueiro. O valor foi fixado em primeira instância com acréscimo de juros de mora e correção monetária.

De acordo com informações do jornal O Globo, a condenação foi por meio do Tribunal Regional da 3ª Região (Mato Grosso do Sul e São Paulo) e o valor da indenização pelo dano moral coletivo deverá ser revertido para o Fundo de Defesa e Reparação de Interesses Difusos Lesados, vinculado à Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

A Caixa alegou que a espera nas filas das agências bancárias é um “mero dissabor” para os clientes. Contudo, a avaliação foi rebatida pelo procurador regional da República, Osvaldo Capelari Junior, para quem a condenação tem efeito pedagógico, pois desestimula o descumprimento da lei e estimula o tratamento adequado aos usuários dos serviços bancários. Segundo ele, a instituição bancária descumpriu a lei, deixou de contratar funcionários em número adequado e valeu-se do tempo de seus clientes.

Ainda de acordo com informações do site, “as filas nos caixas dos bancos equivalem a trabalho não remunerado que os clientes desempenham para o banqueiro. Cada minuto a mais que o cliente permanece nas filas equivale a um minuto a menos pago pelos banqueiros a funcionários, que deveriam estar ali para prestar os serviços pelos quais os clientes já pagaram ou estarão prestes a pagar”, pontuou o procurador.

O mesmo entendimento foi adotado pela 3ª Turma do TRF3, ao esclarecer que os danos morais coletivos ocorreram, já que houve “intenção deliberada em violar o ordenamento jurídico com vistas a obter lucros predatórios em detrimento dos interesses transindividuais.”

Fonte: Correio do Estado

Diretoria Executiva da CONTEC

Veja Também

Sugestão

TST suspende ações do MPT contra acordos que impõem negociado sobre legislado

TST suspende processos sobre validade de norma coletiva que restringe direitos.  A Seção d…