Home Informe por Banco Itaú Lucro do Itaú cresce e vai a R$ 7,034 bi no 2º trimestre

Lucro do Itaú cresce e vai a R$ 7,034 bi no 2º trimestre

0
906

O pagamento de dividendos aos acionistas será no valor de R$ 0,7869 por ação, para posição acionária de 15 de agosto (Aline Bronzati e Fátima Laranjeira)

O Itaú Unibanco obteve lucro líquido recorrente de R$ 7,034 bilhões no segundo trimestre deste ano, cifra 10,2% maior que a vista no mesmo intervalo de 2018, de R$ 6,382 bilhões. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi de R$ 6,877 bilhões, o aumento foi de 2,3%.

O Itaú destaca, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, que dentre os destaques do segundo trimestre está a expansão das carteiras de crédito de pessoas físicas e de micro, pequenas e médias empresas que levou ao crescimento de 2,8% da margem financeira com clientes. Cita ainda o aumento de 5,1% da receita com prestação de serviços em função de maiores ganhos com administração de fundos e serviços de assessoria econômico-financeira. “Esses efeitos foram parcialmente compensados por aumento das despesas não decorrentes de juros e do custo do crédito”, complementa o banco.

Lucro líquido recorrente do banco teve alta de 10,2% em um ano Foto: Daniel Teixeira/Estadão
A carteira de crédito do Itaú somou R$ 659,7 bilhões no fim de junho, elevação de 2,0% em relação a março. Em um ano, cresceu 5,9%. No segundo trimestre, o destaque na carteira do banco foram as micro, pequenas e médias empresas, com avanço de 5,3% ante os três meses anteriores e 19,0% em um ano, e ainda pessoas físicas, com altas de 3,1% e 14,0%, respectivamente. Já o crédito para grandes empresas subiu 1,5% no segundo trimestre ante o primeiro, mas encolheu 1,8% em 12 meses.

O Itaú Unibanco somava R$ 1,678 trilhão em ativos totais ao fim de junho, expansão de 8,8% ante um ano, de R$ 1,542 trilhão. Ante os três meses anteriores, de R$ 1,651 trilhão, foi identificado incremento de 1,6%.

O patrimônio líquido do Itaú era de R$ 125,737 bilhões no segundo trimestre, elevação de 3,3% em um ano e de 4,9% no comparativo trimestral. Já a rentabilidade recorrente sobre o patrimônio líquido médio do banco (ROE, na sigla em inglês) era de 23,5% ao fim de junho ante 23,6% em março e 21,6% um ano antes.

“Com o bom encaminhamento da Reforma da Previdência e a consequente redução das incertezas em relação à sustentabilidade fiscal do País, acreditamos que a economia brasileira dará início a um processo gradual de recuperação. Além da rentabilidade, concentramos nossos esforços em fortalecer uma cultura na qual a satisfação do cliente ocupe papel central”, diz o presidente do Itaú, Candido Bracher, em nota à imprensa.

O Itaú comenta seus resultados do segundo trimestre na terça-feira, dia 30, às 8h30, em teleconferência com jornalistas. Às 10 horas, a conversa será com analistas e investidores estrangeiros e, às 11h30, com os locais.

Dividendos
O Itaú Unibanco aprovou, nesta segunda-feira, 29, o pagamento de dividendos aos acionistas, no valor de R$ 0,7869 por ação (dos quais R$ 0,2393 por ação por conta do dividendo obrigatório do exercício de 2019), complementares aos pagos mensalmente durante o primeiro semestre. A distribuição terá como base de cálculo a posição acionária do dia 15 de agosto. Os dividendos serão pagos em 23 de agosto.

Despesas
As despesas não decorrentes de juros do Itaú Unibanco totalizaram R$ 12,669 bilhões no segundo trimestre deste ano, cifra 3,3% maior que a vista um ano antes. Com tal desempenho, o banco conseguiu crescer seus gastos em ritmo levemente inferior ao avanço de suas receitas com prestação de serviços. Os ganhos foram a R$ 10,738 bilhões de abril a junho, alta de 3,5% ante um ano.

Sem considerar o resultado de seguros, as receitas de prestação de serviços do Itaú somaram R$ 9,063 bilhões no segundo trimestre, elevação de 3,9% em um ano. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, foi vista alta de 5,1%.

Dentre os destaques no período, o Itaú cita ganhos com assessoria financeira e corretagem, que tiveram alta de 63,7% no segundo trimestre ante o primeiro e 46,4% em um ano. O banco também menciona a linha de administração de recursos, com altas de 19,1% e 14,9%, respectivamente.

Por outro lado, o Itaú viu suas receitas com cartões se reduzirem em 2,7% no segundo trimestre ante o primeiro e 1,7% em um ano. Apesar de os ganhos terem crescido com a emissão de plásticos, o segmento de adquirência, no qual atua por meio da Rede, puxou o desempenho para o terreno negativo.

“A nova proposta comercial de adquirência, que estabeleceu o fim da taxa de antecipação nas operações de cartão de crédito à vista para clientes elegíveis, e a evolução da Pop Credicard contribuíram para o aumento na base de equipamentos de 7,1% no trimestre e de 22% em relação ao mesmo período do ano anterior”, acrescenta o Itaú, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras.

Inadimplência
A inadimplência, considerando atrasos acima de 90 dias, ficou em 2,9% ao fim de junho, 0,1 ponto porcentual menor que março, quando era de 3,0%. A queda foi possível, conforme o banco, por conta da melhora dos calotes nas áreas de grandes e de micro, pequenas e médias empresas no Brasil.

Já a inadimplência da América Latina, segundo o Itaú, manteve-se estável no trimestre, com aumento na Colômbia compensada por uma redução no Chile.

O calote de curto prazo, que compreende atrasos de 15 dias a 90 dias, ficou estável a 2,5% ao fim de junho ante março. Enquanto micro, pequena e média empresa teve inadimplência estável no período, a pessoa física melhorou 0,2 ponto porcentual.

Na contramão, pessoa jurídica teve alta de 0,7% em março para 0,9% em junho. O Itaú Unibanco é o segundo banco privado mais exposto à Odebrecht, que entrou com pedido de recuperação judicial no mês passado. O banco tem exposição de R$ 3,982 bilhões, sendo que R$ 3,505 bilhões são extraconcursais, garantidos por ações da Braskem.

O custo do crédito do Itaú foi a R$ 4,044 bilhões no segundo trimestre, aumento de 12,3% em um ano. Ante o trimestre anterior, cresceu 6,3%. “O aumento de 6,3% no trimestre se deve ao aumento das despesas de provisão e dos descontos concedidos no Banco de Varejo no Brasil”, explica o Itaú, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras.

As despesas para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, foram a R$ 4,407 bilhões no segundo trimestre, aumento de 3,2% em um ano, quando estavam em R$ 4,271 bilhões. Ante os três meses anteriores, a elevação foi de 4,8%. “Esse aumento nas despesas de provisão está principalmente relacionado ao crescimento da carteira de crédito de pessoas físicas no período”, justifica o banco. Fonte: Estadão

Diretoria Executiva da CONTEC

Veja Também

Sugestão

TST suspende ações do MPT contra acordos que impõem negociado sobre legislado

TST suspende processos sobre validade de norma coletiva que restringe direitos.  A Seção d…