Home Informe por Banco Banco do Brasil Vote NÃO na proposta do BB de alteração do estatuto da CASSI

Vote NÃO na proposta do BB de alteração do estatuto da CASSI

0
2,348

Vote NÃO na proposta do BB
de alteração do estatuto da CASSI

Votação de 17 a 27/05/2019

No trabalho de consultoria entregue pela Salutis, aquela empresa foi enfática em afirmar que a CASSI é um Plano de Saúde barato tanto para o Banco, como para os Associados.

Embora o BB possa querer resistir em voltar à mesa de negociação para debater uma solução negociada para o custeio da CASSI – sem imposição do voto de minerva e reforma estatutária com retirada de direitos dos Associados –, terá que respeitar os direitos adquiridos, mantidos inclusive pela Resolução 23, bem como a vontade da maioria dos Associados.

Outras questões que não podemos deixar de avaliar é que:

  1. Do aspecto financeiro:

Todas as reformas estatutárias da CASSI culminaram em prejuízos permanentes para os Associados.

  1. Outrora pagávamos 1% e o Banco 3% sobre a folha de pagamento;
  2. Aumentaram a nossa parte para 3% e a parte do Banco para 4,5%;
  3. Pelo Memorando de Entendimento firmado em 2016, para vigência até 2019, nossa parte subiu para 4% e a do BB foi acrescida de um aporte mensal para investimentos equivalente a cerca de 1,5%, totalizando cerca de 6%;
  4. Agora, o BB propõe que nossa parte possa chegar até 7,5% e a parte do Banco volte para 4,5%.

Como os seguidos déficits decorrem do descasamento entre receitas vinculadas aos salários1 e despesas vinculadas à inflação médica2, não é reduzindo as responsabilidades e contribuições do banco que vamos solucionar a questão, já que as contribuições provisórias do banco terminariam em 2021.

Uma das alternativas que não podemos deixar de discutir é financiarmos o déficit da CASSI, na proporção da responsabilidade de cada um (Associados 40% e BB 60%), o que dispensaria o Banco de fazer as provisões de que trata a Resolução CVM 695, correspondente a tais coberturas.

Considerando-se um déficit anual da ordem de R$ 500 milhões, os associados teriam que ratear R$ 200 milhões, o que importaria em menos de R$ 1 mil por ano para cada um.

Temos que discutir a melhoria do custeio com o BB, buscando alternativa de solução perene e sem a discriminação dos aposentados, cujos direitos estão protegidos inclusive pelas provisões estabelecidas pela Resolução CVM 695.

  1. Da governança:

É inconcebível a proposta do BB de reduzir sua responsabilidade financeira e aumentar seu poder de mando.

  • Da duração das contribuições:

Devemos destacar que, enquanto as contribuições extraordinárias propostas pelo patrocinador são temporárias, a exigência é de elevação definitiva das contribuições dos associados.

  1. Da Irreversibilidade3 de eventuais alterações estatutárias:

Também cumpre-nos destacar que os efeitos das alterações estatutárias propostas pelo BB são irreversíveis, independente de eventual reversão dos resultados que a CASSI possa vir a apresentar.

Considerando ainda a melhoria dos resultados apresentados pela CASSI e a importância do plano de saúde em nossas vidas, bem como que o Memorando de Entendimentos vigerá até dezembro do corrente, necessitamos de um amplo debate em que os associados possam se fazer ouvir.

Votação terá início às 9 horas do dia 17 e terminará às 18 horas do dia 27/05/2019.

Os Associados poderão votar no site e app da CASSI, nos terminais de autoatendimento do BB e os funcionários da ativa, também pelo SisBB.

Pelas razões anteriormente expostas, não temos dúvidas em recomendar o VOTO NÃO.

1 O valor total da FOPAG do BB diminuiu muito, seja por causa dos 8 anos sem reajuste, seja porque houve enxugamento do número de cargos/vagas, seja em decorrência de incentivos à aposentadoria e à demissão etc., estratégias empresariais sobre as quais apenas a Direção da Empresa tem controle.

2 As novas tecnologias implantadas nos hospitais e demais credenciados provoca um aumento dos custos muito superior à inflação normal.

3 Desde sempre o estatuto da CASSI vem sendo alterado sempre em prejuízo do trabalhador/associado. Mesmo que todos os problemas sejam sanados, jamais o BB permitirá que os direitos retirados sejam retornados. Por exemplo, uma vez instituído o voto de minerva, o BB nunca mais irá abrir mão desse poder.

Diretoria Executiva da CONTEC

Veja Também

Sugestão

35% dos brasileiros com mais de 14 anos não completaram o ensino fundamental, aponta IBGE

O Brasil tem 35% de pessoas em idade de trabalhar que não concluíram o ensino fundamental.…