Início » Após cerca de 12 horas, dinheiro sumido volta a contas do Bradesco

Após cerca de 12 horas, dinheiro sumido volta a contas do Bradesco

postado Assessoria Igor

Clientes do banco Bradesco que levaram um susto na manhã desta segunda-feira ao notarem que quantias haviam sumido das suas contas ou estavam erroneamente negativados, começam a comemorar o retorno do saldo nas redes sociais. O problema durou, para alguns, cerca de 12 horas.

O Bradesco, em nota, informou que “os saldos das contas correntes de parte de seus clientes que tiveram problema estão sendo atualizados gradualmente. Em breve estará totalmente normalizado”. O banco lamentou o ocorrido.

Mais cedo, o Bradesco informou que seu “processamento noturno não atualizou corretamente o saldo da conta corrente de um grupo reduzido de clientes e a situação deve ser regularizada em breve”. A instituição não deu detalhes sobre o que teria provocado a falha ou quanto tempo levaria para que ela fosse corrigida.

A jovem Jullie Sammur, de 25 anos, foi uma das afetadas. Abriu o aplicativo do Bradesco para resolver pendências, nesta manhã, e a conta tinha apenas R$ 50, uma quantia muito diferente do que ela sabia que guardava. O saldo devido só retornou cerca de 12 horas depois, apesar dos avisos desde cedo emitidos pelo banco de que “em breve” a situação seria corrigida.

— A primeira coisa que eu pensei, de manhã, foi que eu tivesse feito alguma transferência de quantia errada. Comecei a ligar para o Bradesco, mas me dei conta de que podia não ser um problema só comigo. Então vi o pessoal cobrando ao banco nas redes sociais também — conta ela, que tinha pagamentos a fazer nesta segunda-feira: — Não consegui pagar meu personal e tive que pedir para o meu namorado fazer o Pix. Minha conta do Bradesco é por onde recebo o salário.

Mayara Varella, de 34 anos, ficou desesperada quando viu que na conta não estava mais os R$ 1.080 que precisaria para pagar o anestesista de uma cirurgia que vai fazer nesta terça-feira.

— Quando eu vi que o dinheiro não estava lá, nem raciocinava direito. Não sabia o que fazer de início. Depois pensei em ir no plantão da Defensoria Pública pedir ajuda, com o laudo da minha situação médica, exames, marcação da operação. Meus amigos também estavam tentando me ajudar, oferecendo dinheiro. Eu estava desesperada. Mas agora normalizou a minha conta.

Teve prejuízo? Veja o que fazer

A seguir algumas orientações do Proteste e Procon-RJ para quem foi afetado.

Se o consumidor não teve prejuízo além do transtorno, o presidente do Procon-RJ Cássio Coelho explica que não há direito de indenização. O alerta é para o caso de atraso no pagamento de contas, por conta do sumiço do dinheiro, diz Adriano Fonseca, advogado da Proteste.

— A reparação civil indica que qualquer dano ocorrido ao consumidor que seja vinculado a uma prática de terceiro deve ser reparado integralmente por ele. Consumidores que não conseguirem pagar suas contas, por exemplo, podem exigir que o Bradesco arque com eventuais juros e multas que sofrerem. Além disso, podem ser observados eventuais danos morais caso a situação cause algum tipo de constrangimento ao consumidor — finaliza.

Da mesma forma, em caso de PIX negado por falta de saldo na conta, o Procon-RJ identifica que há falha na prestação do serviço bancário e a instituição financeira deve responder pela reparação dos danos causados.

Para correr atrás dos direitos, no entanto, o consumidor precisa ter documentado tudo: o sumiço do saldo na conta, a negativa para realizar operações financeiras ou o prazo de pagamento de contas. Demonstrado prejuízo, é possível solicitar judicialmente reparação.

Órgãos de defesa do consumidor, como o Procon-RJ e a Proteste, podem ajudar a realizar registros desses tipos de problemas, além do Banco Central (BC), que fiscaliza a atuação das instituições financeiras.

Órgãos da administração pública também podem atuar com punições contra a coletividade de consumidores. A retirada indevida de valores de sua conta bancária é prática abusiva e má prestação do fornecimento do serviço bancário.

Fonte: O Globo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas