Início » Contratar pessoas é mais barato que adotar IA na maioria dos empregos, afirma estudo do MIT

Contratar pessoas é mais barato que adotar IA na maioria dos empregos, afirma estudo do MIT

postado Assessoria Igor

inteligência artificial ainda não consegue substituir a maioria dos empregos de maneira economicamente viável, segundo estudo do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, na sigla) em inglês) que buscou abordar os temores sobre a substituição de humanos pela IA em uma série de setores.

Em uma das primeiras investigações aprofundadas sobre a viabilidade da IA substituir o trabalho, os pesquisadores modelaram a atratividade do custo de automatizar várias tarefas nos Estados Unidos, concentrando-se em empregos onde a visão computacional era empregada —por exemplo, professores e avaliadores de imóveis.

A visão computacional é uma área da IA que permite que as máquinas obtenham informações significativas de imagens digitais e outras entradas visuais, com suas aplicações mais gerais aparecendo em sistemas de detecção de objetos para direção autônoma em veículos ou na ajuda à organização de fotos em smartphones.

Os pesquisadores chegaram à conclusão de que 23% dos trabalhadores, medidos em termos de salários em dólares, poderiam ser efetivamente substituídos.

Em outros casos, já que o reconhecimento visual auxiliado por uma IA é caro de instalar e operar, os humanos realizaram o trabalho de forma mais econômica.

A adoção da IA em diversos setores acelerou no ano passado depois que o ChatGPT da OpenAI e outras ferramentas generativas mostraram o potencial da tecnologia.

Empresas de tecnologia como Microsoft e Alphabet, dona do Google, nos EUA, e Baidu e Alibaba na China, lançaram novos serviços de IA e intensificaram os planos de desenvolvimento —em um ritmo que alguns líderes do setor alertaram ser excessivamente rápido.

Os temores sobre o impacto da IA nos empregos têm sido uma preocupação central há muito tempo.

“‘As máquinas roubarão nossos empregos’ é um sentimento frequentemente expresso durante períodos de mudança tecnológica rápida. Essa ansiedade ressurgiu com a criação de grandes modelos de linguagem”, disseram os pesquisadores do Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT em um artigo de 45 páginas intitulado “Beyond AI Exposure” [“Além da Exposição à IA”, em tradução livre].

“Descobrimos que apenas 23% dos trabalhadores ‘expostos’ à visão computacional da IA seria economicamente viável para as empresas automatizarem devido aos altos custos iniciais dos sistemas de IA.”

A relação custo-benefício da visão computacional é mais favorável em segmentos como varejo, transporte e armazenamento, todas áreas em que Walmart e Amazon são proeminentes.

Também é viável no contexto da saúde, disse o artigo do MIT. Uma implantação mais agressiva de IA, especialmente por meio de ofertas de assinatura de “AI as a service”, poderia expandir outros usos e torná-los mais viáveis, disseram os autores.

O estudo foi financiado pelo Laboratório de IA MIT-IBM Watson e utilizou pesquisas online para coletar dados sobre cerca de 1.000 tarefas assistidas por computação visual em 800 ocupações.

Apenas 3% dessas tarefas podem ser automatizadas de maneira economicamente viável hoje, mas esse número poderia chegar a 40% até 2030 se os custos de dados caírem e a precisão melhorar, disseram os pesquisadores.

A sofisticação do ChatGPT e de concorrentes como o Bard do Google reacendeu a preocupação com a IA eliminando empregos, já que os novos chatbots mostram proficiência em tarefas que anteriormente apenas os humanos eram capazes de realizar.

O FMI disse na semana passada que quase 40% dos empregos do mundo seriam afetados e que os formuladores de políticas precisariam equilibrar cuidadosamente o potencial da IA com as consequências negativas.

No Fórum Econômico Mundial em Davos na semana passada, muitas discussões se concentraram na substituição da força de trabalho pela IA.

O cofundador da Inflection AI e do DeepMind do Google, Mustafa Suleyman, disse que os sistemas de IA são “ferramentas fundamentalmente substitutas do trabalho”.

Um estudo de caso no artigo analisou uma padaria hipotética. Padeiros inspecionam visualmente os ingredientes para controle de qualidade diariamente, mas isso representa apenas 6% de suas tarefas, disseram os pesquisadores.

A economia de tempo e salários resultante da implementação de câmeras e um sistema de IA ainda está longe do custo de tal atualização tecnológica, concluíram.

“Nosso estudo examina o uso da visão computacional em toda a economia, examinando sua aplicabilidade a cada ocupação em quase todos os setores e indústrias”, disse Neil Thompson, diretor do Projeto de Pesquisa FutureTech no Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT.

“Mostramos que haverá mais automação no varejo e na saúde, e menos em áreas como construção, mineração ou imóveis”, disse ele por email.

Fonte: Folha de S. Paulo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas