Início » UBS conclui compra do Credit Suisse em acordo voltado a conter turbulência financeira global

UBS conclui compra do Credit Suisse em acordo voltado a conter turbulência financeira global

postado Assessoria Igor

UBS afirmou nesta segunda-feira, 12, que concluiu a compra do rival Credit Suisse, quase três meses depois que o governo suíço rapidamente organizou um acordo de resgate para combinar os dois maiores bancos do país, em uma tentativa de proteger a reputação da Suíça como um centro financeiro global e sufocar a turbulência do mercado.

Um comunicado do banco disse que “o UBS concluiu a aquisição do Credit Suisse hoje, ultrapassando um marco importante”.

O UBS havia dito na semana passada que esperava concluir a aquisição no valor de 3 bilhões de francos suíços (US$ 3,3 bilhões) já na segunda-feira – que será o último dia de negociação das ações do Credit Suisse na bolsa de valores suíça. O Credit Suisse também não será mais negociado na Bolsa de Valores de Nova York.

É um momento crucial para os dois rivais com sede em Zurique, cuja combinação levantou preocupações sobre milhares de demissões esperadas, atraiu repreensões e ações judiciais sobre os termos do acordo e despertou temores sobre o impacto da criação de um megabanco suíço que seria muito grande para falhar.

“Este é um momento muito importante – não apenas para o UBS, (mas) para a Suíça como um local financeiro e para a Suíça como um país”, disse o CEO do UBS, Sergio Ermotti, na sexta-feira, 9. “Então nós sentimos a responsabilidade, mas estamos totalmente motivados.”

Ermotti, que voltou ao UBS para fechar o negócio, reconheceu que “os próximos meses certamente serão turbulentos”, mas disse que o banco está “muito focado em fazer isso direito”.

O UBS havia dito na semana passada que esperava concluir a aquisição no valor de 3 bilhões de francos suíços (US$ 3,3 bilhões) já na segunda-feira – que será o último dia de negociação das ações do Credit Suisse na bolsa de valores suíça. O Credit Suisse também não será mais negociado na Bolsa de Valores de Nova York.

É um momento crucial para os dois rivais com sede em Zurique, cuja combinação levantou preocupações sobre milhares de demissões esperadas, atraiu repreensões e ações judiciais sobre os termos do acordo e despertou temores sobre o impacto da criação de um megabanco suíço que seria muito grande para falhar.

“Este é um momento muito importante – não apenas para o UBS, (mas) para a Suíça como um local financeiro e para a Suíça como um país”, disse o CEO do UBS, Sergio Ermotti, na sexta-feira, 9. “Então nós sentimos a responsabilidade, mas estamos totalmente motivados.”

Ermotti, que voltou ao UBS para fechar o negócio, reconheceu que “os próximos meses certamente serão turbulentos”, mas disse que o banco está “muito focado em fazer isso direito”.

“Estou satisfeito por termos fechado com sucesso esta transação crucial em menos de três meses, reunindo dois bancos globais sistemicamente importantes pela primeira vez”, disse o chairman do UBS, Colm Kelleher, no comunicado de segunda-feira. “Agora somos uma empresa global suíça e, juntos, somos mais fortes.”

Ermotti disse que “apresentaremos aos nossos clientes uma oferta global aprimorada, alcance geográfico mais amplo e acesso a um conhecimento ainda maior”.

O UBS Group AG administrará dois bancos separados, UBS e Credit Suisse, cada um continuando a ter suas próprias agências e clientes.

O Credit Suisse, de 167 anos, teve uma série de escândalos ao longo dos anos que atingiram o coração de seus negócios, variando de apostas ruins em fundos de hedge à falha em impedir a lavagem de dinheiro por uma quadrilha búlgara de cocaína, além de acusações de que não denunciou contas offshore secretas que americanos ricos usavam para evitar o pagamento de impostos nos EUA.

O UBS herdará os processos em andamento contra o Credit Suisse e as repercussões financeiras que eles acarretam, incluindo uma decisão recente em Singapura que disse que o Credit Suisse deve ao ex-primeiro-ministro georgiano Bidzina Ivanishvili centenas de milhões de dólares por não proteger o dinheiro do bilionário em um fundo roubado por um gerente.

O Credit Suisse está apelando do caso e de um caso semelhante nas Bermudas, onde Ivanishvili diz que uma subsidiária do banco falhou em impedir a “má administração fraudulenta” de seus ativos em duas apólices de seguro de vida. O governo da Suíça concordou em fornecer ao UBS 9 bilhões de francos suíços (quase US$ 10 bilhões) em garantias para cobrir quaisquer perdas que possa enfrentar com a aquisição, depois que o UBS cobrir quaisquer acertos de até 5 bilhões de francos (US$ 5,5 bilhões).

Esse plano de resgate de emergência está enfrentando resistência política antes das eleições parlamentares de outubro. A câmara baixa da Suíça o repreendeu em uma votação simbólica, e os legisladores aprovaram a abertura de um inquérito sobre o acordo e os eventos que levaram a ele. A procuradoria-geral suíça já abriu uma investigação.

Os investidores do Credit Suisse também processaram os reguladores financeiros do país depois que cerca de 16 bilhões de francos suíços (US$ 17,7 bilhões) em títulos de alto risco foram eliminados.

O Federal Reserve, banco central dos EUA,, o braço executivo da União Europeia e outros em todo o mundo concordaram com a aquisição. O Credit Suisse foi classificado como um dos 30 bancos globais importantes porque seu colapso representava um risco mais amplo para o sistema financeiro.

Fonte: Estadão

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas