Início » Caixa faz mutirão para acertar FGTS pago por grupo em recuperação

Caixa faz mutirão para acertar FGTS pago por grupo em recuperação

postado Assessoria Igor

Caixa Econômica Federal teve de convocar um mutirão na semana passada para destinar cerca de R$ 230 milhões para contas vinculadas do FGTS de cerca de 20 mil funcionários do grupo João Santos, em recuperação judicial.

Havia dúvidas de que a empresa cumpriria o acordo fechado, mas a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) recebeu as duas parcelas da “entrada”.

Em janeiro, foram pagos R$ 150 milhões e, nesta sexta (1), outros R$ 80 milhões.

Agora, o grupo tem até três anos para quitar a diferença (R$ 1,27 bilhão).

“É o maior acordo tributário da história”, disse ao Painel S.A. a procuradora Ana Carolina Araújo de Souza.
Com o arranjo, a dívida original, de cerca de R$ 11 bilhões, passou para R$ 1,5 bilhão. Mas pode voltar a um valor maior, caso deixe de pagar.

Segundo o procurador regional da Fazenda Nacional, Alexandre de Andrade Freire, o que ajudou desta vez foi a possibilidade de um financiamento conhecido como DIP.

Por ele, a empresa consegue, com autorização judicial, levantar recursos com instituições financeiras para suas despesas operacionais.

O pagamento é feito à medida que os ativos são vendidos e pela geração de caixa da companhia, que segue suas atividades. Na divisão, uma parte vai para a União e outra, para a instituição financeira.

Os procuradores informam que o financiamento foi uma forma de garantir que os cofres públicos e os direitos dos trabalhadores fossem ressarcidos após os sucessivos calotes do grupo nos diversos Refis e outros programas de parcelamento de dívidas a que aderiram desde 2017.

Em maio de 2021, o grupo João Santos foi alvo da Operação Background, da Polícia Federal, em parceria com a Receita Federal e a PGFN.

Revelaram-se fraudes, com uso de laranjas para desvio de recursos e sonegação, e problemas na gestão. No ano seguinte, foi preciso pedir recuperação judicial.

O grupo leva o nome do patriarca, João Santos, que fez fortuna no ramo de cimento, sucroalcooleiro, agropecuário, de celulose, telecomunicações e táxi aéreo.

Fonte: Folha de S. Paulo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas