Início » Inflação fica acima das projeções em janeiro com pressão de alimentos

Inflação fica acima das projeções em janeiro com pressão de alimentos

postado Assessoria Igor

inflação oficial do Brasil, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), desacelerou a 0,42% em janeiro, após marcar 0,56% em dezembro, apontam dados divulgados nesta quinta-feira (8) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Apesar da perda de força, o índice ficou acima da mediana das projeções do mercado financeiro. A expectativa de analistas consultados pela agência Bloomberg era de variação de 0,34% no primeiro mês de 2024.

Com o novo resultado, o IPCA atingiu 4,51% no acumulado de 12 meses, diz o IBGE. Nesse recorte, a alta dos preços era de 4,62% até dezembro.

ALIMENTOS PUXAM ALTA

Conforme o IBGE, a inflação de janeiro foi puxada pelo grupo alimentação e bebidas. A alta dos preços desse segmento acelerou a 1,38%, após 1,11% no mês anterior.

Assim, o grupo exerceu o principal impacto no IPCA de janeiro, calculado em 0,29 ponto percentual. O ramo de alimentação e bebidas registrou a maior alta para um mês de janeiro desde 2016 (2,28%), diz o IBGE.

Dentro desse grupo, a alimentação no domicílio acelerou a 1,81%, após 1,34% em dezembro. O novo resultado foi influenciado por produtos como cenoura (43,85%), batata-inglesa (29,45%), feijão-carioca (9,70%), arroz (6,39%) e frutas (5,07%).

Segundo o gerente da pesquisa do IPCA, André Almeida, o aumento dos preços dos alimentos consumidos em casa está relacionado principalmente com as temperaturas altas e as chuvas intensas em diversas regiões produtoras. Já a alimentação fora do domicílio (0,25%) desacelerou em janeiro em relação ao mês anterior (0,53%).

“Historicamente observamos alta dos preços dos alimentos nos meses de verão, por conta da temperatura mais alta e das chuvas. Neste ano, isso é intensificado pelo fenômeno El Niño“, disse Almeida.

Segundo analistas, impactos climáticos tendem a pressionar em 2024 os preços dos alimentos, que afetam principalmente o bolso dos consumidores mais pobres. As famílias com renda menor destinam uma fatia maior do orçamento, em termos proporcionais, para a compra de comida.

O centro da meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central) é de 3% para o acumulado de 2024. A tolerância é de 1,5 ponto percentual para menos ou para mais. Assim, a meta será cumprida se o IPCA ficar no intervalo de 1,5% (piso) a 4,5% (teto).

Na mediana, projeções do mercado financeiro apontam que o IPCA fechará 2024 em 3,81%, conforme a edição mais recente do boletim Focus, divulgada pelo BC na terça-feira (6). A previsão está abaixo do teto da meta (4,5%).

Fonte: Folha de S. Paulo

www.contec.org.br

Deixe um Comentário

Notícias Relacionadas